Maio 18, 2012

Belo artigo sobre o desapego:
Durante nossa vida, conhecemos um número enorme de pessoas, muitas das quais se tornam amigos queridos. Nas mudanças e andanças, vamos deixando pelo caminho muitos desses relacionamentos e poucos continuam persistindo com o passar do tempo. E alguns gostaríamos de voltar a encontrar novamente, do jeito que foi no passado, com os mesmos sentimentos que nos prendiam a eles… Mas, infelizmente, quando tentamos refazer a relação, geralmente percebemos que já passou – e ficamos tristes! Uma saudade grande enche nosso coração e um sentimento de vazio e perda persiste, fazendo sofrer. Mas, à medida que vou vivendo, percebo que isto é inevitável! Porque a vida é um processo muito dinâmico, durante o qual nos modificamos e as outras pessoas também. Aliás, para isto vivemos, em primeiro lugar. Não encarnamos para sermos como éramos, mas para aprendermos alguma coisa nova!

Já me ocorreu, várias vezes, querer procurar alguém que foi importante pra mim, numa ânsia de reviver um momento feliz, tendo que chegar à conclusão triste de que já não dá mais.

Aceitar esta situação, confiando na dinâmica da vida, é uma sabedoria. Algumas pessoas podem nos acompanhar por uma vida inteira e sempre teremos com elas pontos de contato, enriquecedores para as duas partes. Mas outras, talvez a maior parte delas -nossos colegas de estudo, por exemplo- já estão a trilhar outros caminhos, em situações diversas, seguindo a trajetória que lhes cabe, como seres únicos da criação.

Para podermos receber bem o momento presente, é necessário que essas perdas sejam bem compreendidas e aceitas, ou ficaremos sem a condição de abraçar o que chega neste instante, espelhando para nós a atual realidade interna de nossa alma.

Que o passado seja abençoado por todo o ensinamento que nos trouxe, através do amor, ou da dor. Mas que fique lá! Que o nosso atual momento seja privilegiado, ou deixaremos de viver, morrendo em vida.

Na dinâmica incessante do viver, que fiquemos alerta às novas oportunidades que se delineiam. Que o medo não nos paralise fazendo com que desistamos de tentar, de recomeçar. Pois tudo que vivemos até agora nos preparou e foi a sementeira do agora. Abençoemos todos e tudo que nos ajudou a chegar até aqui e vamos em frente! Com a mesma curiosidade que tínhamos, quando mais jovens e nos defrontávamos com o novo, pois aprenderemos pela eternidade… num caminho sem fim.

Um amor antigo que hoje já não nos faz vibrar, não foi um amor menor. Existiu enquanto éramos como no passado, mas mudamos e nos desconectamos. Abençoado amor que nos alimentou de sentimentos puros e nos vitalizou. Continuemos amando, sempre despertos e propensos a acolher o que nos chega, pois nunca vem por acaso. Está sendo atraído por nossa alma e nos traz alimento necessário para o nosso viver.

Quem se fecha ao presente e vive de passado, já parou de vibrar, já desistiu de aprender, se entregou ao marasmo e à desesperança. Precisamos reciclar nossos interesses. Para isto há cursos, há muitos hobbies que podem preencher as horas do dia, há novas pessoas para serem visitadas, acarinhadas, amadas.

Não podemos parar, pois o fluxo das horas nos diz que é andando que vivemos. Enquanto estivermos no corpo, será por aqui. Quando formos para outra dimensão, será por lá. Mas sem descanso, abertos ao novo, às novidades e propensos a nos deixar mudar, educar, a aprender.

Ninguém precisa se sentir velho, mesmo que o corpo já mostre sinais de menos agilidade e flexibilidade. Enquanto estivermos interessados nas lições que a vida nos traz, estaremos jovens na alma e teremos saúde boa e os olhos brilhando da chama da vida.

Velho não é o que já muito viveu, mas aquele já se deixou abater pela tristeza e vive no passado, evitando o mundo que está à sua volta lhe chamando para experimentar novas técnicas, para repensar ideias e para conhecer coisas que mudaram, ao longo do tempo.

Assim, as chamadas perdas que tivemos, ao longo da vida, nos propiciaram estar preparados para as novas experiências do hoje. Vamos em frente, sempre. O passado só nos parece melhor porque hoje o fantasiamos… Quantas conquistas foram feitas por nós próprios e pela humanidade como um todo… Agora é o recomeço, é a vida, é a colheita do ontem e a esperança materializada num momento mais feliz!

Artigo escrito por Maria Cristina Tanajura –

Deixe o seu comentário