Janeiro 29, 2010

Do colunista Ari Cunha – Correio Brasiliense 

Não há fidelidade partidária, fidelidade matrimonial deixa de ser obrigação prevista pela legislação. Por que haver, então, fidelidade à TV paga e à telefonia celular? Muito branda a recomendação do MPF sobre as alterações no contrato de fidelidade. É um absurdo o consumidor não ter o direito de romper o contrato a qualquer momento que lhe convier. Desde que não haja débitos.

Deixe o seu comentário